PASOLINI NA AMÉRICA

pier-paolo-pasolini-por-richard-avedon-new-york-24-de-set-1966-the-richard-avedon-foundation

Pier Paolo Pasolini por Richard Avedon. © The Richard Avedon Foundation.

Entre 13 e 23 de setembro de 1966, Pasolini fez sua única viagem aos EUA, junto ao seu inseparável Ninetto Davoli, após acompanhar a exibição de Accattone e Uccellacci e Uccellini no Festival de Montreal, no Canadá. Nessa cidade tomou o trem para Nova York, e ao sair da estação subterrânea a metrópole americana surgiu-lhe como “Jerusalém aos olhos do Crucificado”.

Encontrou-se com Allen Ginsberg, que admirava imensamente: “Sobre Nova York existe apenas as suas poesias” (em 1967 eles se reencontrariam em Milão), foi entrevistado por Oriana Fallaci para L’Europeo, fotografado por Duilio Pallottelli na Broadway e, no último dia de sua estada, por Richard Avedon em seu estúdio.

Foram dez dias vividos intensamente em Manhattan. Passeou no Harlem, em Greenwich Village, no Brooklyn. No porto, onde foi fotografado por Duane Michels, tentou aproximar-se da América “suja, infeliz, violenta”. A Meca do capitalismo mundial apaixonou o marxista independente, que não devia satisfações ao Partido comunista nem partilhava seus dogmas.

Todas as noites Pasolini voltava de madrugada para seu hotel, esgotado: “Queria ter dezoito anos para viver toda uma vida aqui.” Mas ele ainda parecia bem jovem aos 44 anos. Desde criança Pasolini se encantava com a América. Não sabia dizer porque, uma vez que não tinha especial apreço pela literatura americana e muito menos pelo establishment americano. E então? “O cinema, talvez. Toda a minha juventude passei fascinado pelos filmes americanos, ou seja, pela América violenta, brutal. Mas não foi esta América que encontrei: é uma América jovem, desesperada, idealista.”

Os jovens parecem-lhe incrivelmente elegantes, vestindo o que lhes dá na telha sem se preocuparem com o que os outros possam pensar deles. Eles mais se fantasiam que se se vestem. A indiferença para com os outros é a seu ver uma forma de respeito à privacidade, ao contrário do “curiosar” invasivo dos europeus, que estão sempre prontos a fiscalizar e condenar o comportamento alheio.

Pasolini sentiu-se tão à vontade em Nova York que teve a ideia de aí ambientar o filme que planejava rodar sobre São Paulo: não mudaria o roteiro, apenas o cenário. A ação que se passaria na antiga Roma seria transferida para Nova York. Sentia que o centro do Império vivia um momento revolucionário. O comunismo fracassou na Rússia, na China. O socialista europeu era um homem vazio. Já a New Left americana, com sua mística da democracia levada aos extremos, mostrava-se viva, vibrante.

Ao presenciar uma manifestação a favor da guerra do Vietnã com cartazes como “Bombardeiem Hanói” e “Matem todos aqueles vermelhos” durante a qual irromperam, na contracorrente, três jovens pacifistas tocando violão e cantando uma canção de protesto sem que houvesse qualquer insulto ou gesto de hostilidade da parte dos manifestantes, Pasolini teve uma verdadeira epifania e declarou a Oriana Fallaci:

Esta é a coisa mais linda que vi na minha vida. Essa é uma coisa que não esquecerei enquanto eu estiver vivo. Devo voltar, devo estar aqui, mesmo que não tenha mais dezoito anos. Como me desagrada partir, me sinto derrubado. Me sinto como um menino diante de um bolo pronto para ser devorado, um bolo de várias camadas, e o menino não sabe qual camada lhe agradará mais, sabe apenas que deseja, que deve comer todas elas. Uma a uma. E no momento mesmo em que ele está para abocanhar o bolo, levam-no embora.

Anos atrás, Martin Scorsese foi o padrinho e Meryl Streep a madrinha da estreia de Mamma Roma, no Film Forum de Nova York, lançado depois em cem cidades dos EUA. Até então, o filme só havia sido exibido na América em museus. Com provável exceção de Scorcese, a Streep foi uma das pessoas que mais viu o filme de Pasolini: ela se inspirou na personagem de Anna Magnani para atuar como Francesca Johnson em The Bridges of Madison County (As Pontes de Madison, 1995), de Clint Eastwood.

O amor de Pasolini à América teve correspondência em alguns críticos e cineastas americanos. Richard Schickel escreveu na Life que Il Vangelo secondo Matteo era “o melhor filme de todos os tempos”. Dennis Lim, do The New York Times, considerou a influência de Pasolini como algo de único no panorama contemporâneo:

Pasolini preparou o caminho para muitos realizadores, como Rainer Werner Fassbinder, Derek Jarman, Gus Van Sant e Abel Ferrara. O poder de suas ideias e o mistério do seu assassinato […] conquistaram a imaginação de inúmeros escritores e artistas. Sua morte também se tornou tema de obras como o docudrama Pasolini, un delitto italiano (1995), de Marco Tullio Giordana, ou a instalação Alfa Romeo GT Veloce 1975-2007, de Elisabetta Benassi, que evoca a cena do crime com uma reprodução do carro de Pasolini.

O espectro de Pasolini ronda Nova York: a galeria Location One, no SoHo, expôs uma mostra de quadros de Pasolini. O Museum of Modern Art (MoMA) e o MoMA PS1 (no Queens) apresentaram uma retrospectiva da obra de Pasolini com filmes, recitais de poesia e música, discussões e performances, sendo que cada filme da mostra foi precedido por um comentário gravado do próprio cineasta. Finalmente, a UnionDocs exibiu, no Brooklyn, documentários de produção recente sobre Pasolini.

Imagens da visita de Pasolini a Nova York em 1966. Na primeira da série de imagens de rua tomadas por Duilio Pallottelli, Pasolini passa por um cinema que exibe programa duplo com Elizabeth Taylor: Cat on a Hot Tin Roof (Gata em teto de zinco quente, 1958), de Richard Brooks, e Butterfield 8 (Disque Butterfiled 8, 1960), de Daniel Mann. Na última imagem Pasolini é retratado nas docas de Nova York por Duane Michels. 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Referências bibliográficas

BERARDI, Francesca. Pierpaolo Pasolini a New York, un amore possibile. Il Sole, 21 dicembre 2012.

FALLACI, Oriana. Un marxista a New York, L’Europeo, 13 ottobre 1966.

LIM, Dennis. Pasolini’s Legacy: A Sprawl of Brutality. The New York Times, 26 dez. 2012. Disponível em: http://www.nytimes.com/2012/12/27/movies/pasolinis-legacy-a-sprawl-of-brutality.html.

PASOLINI, Pier Paolo. 7 – Supplemento del Corriere della Sera, n. 14, 7 aprile 1990.

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under NOTA DE RODAPÉ

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s